quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O meu Halloween e sugestões de leitura para essa noite


Agora que estamos a menos de duas semanas do Halloween já anda toda a gente eufórica com o dia. E em vez de mais posts de decoração, ideias de maquilhagem ou de disfarces, resolvi fazer algo diferente e contar-vos um pouco da forma como sempre vivi o dia, além de deixar sugestões de leitura para esse fim de semana, que alguns com sorte ainda fazem ponte.

Deixem-me começar por explicar algumas coisas. Há uns 20 anos atrás, quando eu era pequena, o Halloween ainda não era o fenómeno que é atualmente e no meio relativamente pequeno em que vivia tudo isso ainda era encarado na altura como alguma falta de respeito dada a santidade do dia seguinte. Claro que eu e os restantes amigos não queríamos saber disso para nada. Era feriado e tínhamos desculpa para nos mascararmos e andarmos a fazer travessuras à noite (Sim, que isto no meu tempo começávamos a sair à noite aos 16, 17 anos. Apanharmo-nos aos 9, 10, 11 e 12 anos fora de casa até à meia noite nesse dia era um acontecimento!) E as saudades que eu tenho disso!

Tendo passado toda a minha infância e adolescência a viver em frente a um cemitério, habituei-me desde sempre a passear por lá e nunca me meteu a menor confusão lá passar de dia ou de noite. E se havia feriado que eu sempre adorei era este. Talvez porque tive a sorte de, nessa altura, ainda não ter perdido ninguém que me fosse próximo, acredito que o dia não tenha tido até então aquele peso que tem para toda a gente. Para mim era mais divertido passar o dia à janela do que ir ao cinema. E porquê? A janela da minha sala dava mesmo para o portão do cemitério, onde se juntavam vendedoras de flores, voluntários de instituições de caridade, vendedores de guarda-chuvas, até mesmo vendedores de bolos e pipocas a certa altura. E como era giro ir para a janela ver pessoas a regatear, aos berros uns com os outros por causa do estacionamento... mas o mais divertido era quando chegavam as carrinhas dos ciganos, donos de imensas campas e jazigos que mantinham impecavelmente bem tratados. Claro que ficava a rua toda a saber que tinham chegado. Entre gritos, cânticos e choro, eram tudo menos discretos. E isto ainda de manhã, porque a meio do dia lá se chateavam todos e era o fim do mundo, até que lá vinha a policia acabar com o meu filme. Lembro-me que num ano até tiros houve. Numa área residencial em que não acontecia nada o ano todo, não é difícil entender porque é que este dia se tornou rapidamente num dos favoritos, juntamente com a respetiva noite de Halloween.

Claro que com esta chatice de estar a meses de chegar aos 30 já não tenho idade para andar a aterrorizar vizinhos. Mas entre enfarinhar portas, saltar o portão do cemitério para deixar abóboras nas campas , meter plasticina nas campainhas para as fazer tocar a noite toda, ou enfaixar carros em papel higiénico... as saudades que eu tenho do Halloween!

Acredito que a reposição do feriado do Dia de Todos os Santos venha ajudar bastante o lado comercial de tudo isto. Se as crianças não têm aulas no dia seguinte é sempre mais um motivo para os pais deixarem ir aos famosos “Trick or Treat” ou até mesmo a festas temáticas. Mas hoje a minha sugestão é diferente. Para quem, tal como eu, já não tem idade para estas andanças - nem a desculpa de ter filhos para ainda alinhar em algumas coisas – e acaba mesmo por ficar por casa, deixo algumas ideias de leitura apropriada para essa noite:


Dracula de Bram Stocker – Não precisa de qualquer tipo de apresentação. É a história do Conde da Transilvânia, que recebe a visita do solicitador Jonathan Harker, noivo de Mina, para tratar de negócios que acabam por o deixar aterrorizado ainda antes de chegar ao castelo. Claro que depois de lá estar tudo piora e acaba mesmo por ter de lidar com Dracula até depois de regressar a Londres, mas desta vez com a ajuda do Dr. Van Helsing.

Frankenstein de Mary Shelley – Frankenstein é um jovem idealista, que estuda ciências naturais, com especial interesse pela alquimia, que descobre a forma de dar vida a corpos inanimados e acaba por criar um monstro, inicialmente bondoso e gentil que, forçado ao isolamento do resto da sociedade, acaba por se tornar numa criatura cruel com sede de vingança do seu criador. Nunca entendi bem a adoração por esta obra, mas encaixa-se bem no espírito desta altura.

Interview with the Vampire de Anne Rice – Claro que não podia faltar uma sugestão da minha escritora favorita. O Vampiro Louis conta a história dos 200 anos ao jornalista Daniel Molloy, desde que era humano e dono de grandes plantações em Nova Orleães ao seu fatídico encontro com o vampiro Lestat que o torna imortal, com uma descrição completa da vida faustosa que levaram, o encontro da moribunda Claudia, uma criança que transformam em vampira e todas as consequências que isso lhes trouxe.

Spirits of the Dead: Tales and Poems de Edgar Allan Poe – Deixando um pouco os romances de lado, aqui temos uma seleção de contos de personagens envolvidas em situações macabras com resultados aterrorizantes; mas também de poemas soturnos, melancólicos ou de imagens perturbantes da morte e do que se passa depois disso.

Seres Mágicos em Portugal de Vanessa Fidalgo – Esta é uma leitura interessante de histórias e lendas recolhidas de norte a sul de Portugal, passando até pelas ilhas. Está aqui incluído porque fala de seres do nosso imaginário como fadas, duendes, bruxas, mouras encantadas, gigantes, monstros marinhos, lobisomens, demónios, tudo com a devida identificação das fontes.

Mitos e Lendas Celtas na Irlanda de Angélica Varandas – Sendo o Halloween uma antiga tradição celta, achei que nada melhor do que um livro sobre o assunto. Este além de falar um pouco sobre a cultura dos Celtas, foca-se predominantemente nos mitos e lendas, tendo um capítulo dedicado a todo o tipo das chamadas Fadas da Irlanda, que incluem as famosas banshees, os característicos leprechauns, ou o terrível Dullahan, além de fantasmas e animais encantados.

E vocês? Como era o vosso Halloween? E atualmente, o que fazem nessa noite?



*Primeira imagem retirada do Google

38 comentários:

  1. Respostas
    1. Obrigada.
      Medo? Os mortos nunca me incomodaram, já dos vivos não posso dizer o mesmo. Eheheh
      Beijinho.

      Eliminar
  2. Confesso que não sou muito de ler nem gosto muito desse dia mas respeito que gosta
    Beijinhos
    Giveaway Portugal & Ilhas
    CantinhoDaSofia /Facebook /Intagram
    Tem post novos todos os dias

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem todos gostamos da mesma coisa. E ainda bem.
      Beijinho.

      Eliminar
  3. Hoje em dia é um dia normal, quando era criança só me lembro do "Pao-por-Deus", depois mais tarde mascarava-me p sair a noite e ia para festas de Halloween! Eu acho imensa piada ao dia e não me importo nada que Portugal adopte a ideia "Halloween". Provavlemente vou passar a minha noite a ver uns filmes de terror XD
    Bjs*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na aldeia da minha mãe também se fazia o Pão-por-Deus, mas aqui na cidade não tenho memória nenhuma disso.
      Somos duas, filmes ou séries de terror. ;)
      Beijinho.

      Eliminar
  4. Na minha terra, que é bem pequenina, nem dá para ver essas movimentações que se viam na tua, nunca se comemorou o Halloween, só agora recentemente as crianças o começaram a fazer. O que nós fazíamos era ir pedir o bolinho bolinho, tradição nossa que graças ao Halloween se começa a perder. :( Beijinhos
    --
    O diário da Inês | Facebook | Instagram

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, na aldeia da minha mãe também havia algo do género, o Pão-por-Deus.
      Beijinho.

      Eliminar
  5. Pois é, o Halloween está à porta e já se sente :)

    thebrunettetofu.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  6. Adorei as sugestões! Eu sempre adorei o Halloween desde pequena, sempre organizei festas com os meus amigos e mascaro-me todos os anos e vejo imensos filmes de terror!! :)
    Obrigada pelo comentário, segui :3

    http://free-colors.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Também sempre adorei o feriado.
      Beijinho.

      Eliminar
  7. Para mim, Halloween é dia de aniversário da mãe, por isso, a celebração geralmente é essa :P
    Mas gostei das sugestões de leitura :)

    Beijinhos
    Daniela
    Blog Cidade do Pecado | Facebook | Instagram | Snapchat: cidadedopecado

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Então já deves andar a preparar a festa este ano. ;)
      Beijinho.

      Eliminar
  8. Adorei as sugestões e como adoro este dia, o Halloween ainda melhor :)

    ResponderEliminar
  9. É mesmo uma questão de experimentares minha querida :D
    Se não o encontrares por aí diz-me :')

    Não é que faça o meu género de leitura mas acho bem interessante tendo em conta a noite que é :D

    NEW DIY POST | Mobile Phone Support With Corks.
    InstagramFacebook Oficial PageMiguel Gouveia / Blog Pieces Of Me :D

    ResponderEliminar
  10. Adorei ler este post... Eu na minha infância não tive tanta sorte como tu... aqui não se praticava nada de nada de Halloween...agora nos últimos dois anos é que se começou a ver as crianças na rua... Apenas uma vez em criança fui a uma festinha que decidiram fazer com máscaras... mas só existiu essa...
    Gostei bastante das tuas sugestões para leitura... gostava imenso de ler as lendas celtas e os seres mágico de portugal...
    Beijinhos grandes
    Ana Negrão Makeup

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Acho que fomos mesmo os primeiros a fazer alguma coisa nessa noite, pelo menos lá pela freguesia, agora já se generalizou.
      Beijinho.

      Eliminar
  11. Nunca fui de ler este tipo de livros, por isso não conhecia estes mas gostei muito do post!

    http://missweetie.blogspot.pt/2016/10/contornar-e-iluminar-bem-o-rosto.html

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Eu sempre gostei de histórias de terror. A dificuldade aqui foi não meter a biblioteca inteira.
      Beijinho.

      Eliminar
  12. Adoro este tipo de livros, fiquei curiosa!!
    Quanto à ponte de Aveiro, acho que é só mesmo essa a funcionalidade dela. A primeira e última vez que lá passei foi para tirar aquelas fotos eheh
    Kiss, Mariana Dezolt
    Messy Hair, Don’t Care

    ResponderEliminar
  13. Olá,

    Realmente às vezes julgamos as coisas sem as vermos primeiro! Eu confesso que quando vi que tinhas escrito sobre este tema, franzi logo o sobrolho! Precisamente por eu ainda ser uns anitos mais velho que tu, e eu "ainda sou do tempo" em que nem com o dia dos Namorados havia essa vertigem consumista como há agora com a importação americana (que até é europeia) dos filmes e lá disso do Halloween. Há vinte anos, Halloween para mim era uma loja de discos e roupa que havia no centro comercial STOP! Graças a esta globalização (ou americanização) toda, que põe as pessoas quase a falar mais inglês que português, só falta mesmo começarmos também a celebrar o Dia de Ação de Graças, ou quem sabe o 4 de Julho!

    Como tu descreves muito bem, da cultura e folclore português o que sempre houve é o feriado dos "santos" da santa madre igreja e como é feriado as pessoas aproveitam para se deslocar todas em procissão aos cemitérios lembrando os seus mortos, que se celebra no dia seguinte "dia de fieis defuntos". A tradição é essa, as pessoas vestirem as suas melhores roupas, parece que vão para um desfile de moda, e vão para depois falaram de como os outros todos estavam vestidos. No fundo o dia seguinte ao feriado é uma espécie de rescaldo às roupas que as pessoas vestiram no dia anterior, assim mais ou menos como se faz no Óscares, que roupas usaram, quem é que foi a acompanhar, etc!

    Quanto às sugestões de leitura, os celtas claro, por certo iria gostar de ler, e fico também curioso de saber que criaturas mágicas portuguesas é que se encontram por aí!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Porque agora isto do Halloween americanizou-se como tudo neste planeta. O Halloween vem do All Hollows Eve e é uma tradição celta, do festival de Samhain que marcava o fim da época das colheitas e o inicio do definhar da terra em que tudo era estéril e vazio. Acreditava-se que nesta noite de Samhain a realidade entre o mundo dos vivos e dos mortos dissipava-se e era possível atravessar esse portal. Aliás, isto é a noite mais importante no México ainda hoje porque ainda se mantém essa crença.

      Em relação aos livros, como vês o que não me falta é "estes assuntos de espíritos e afins". E adoro ler isto! Depois se quiseres empresto-te esse das criaturas.
      Beijinho.

      Eliminar
  14. Esta época não me suscita grande interesse, mas falaste aí de algumas obras que são clássicos e eu nunca li!

    http://mundodablue.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É normal para quem não gosta do género ;)
      Beijinho.

      Eliminar
  15. Belas sugestões!
    :D
    beijinhos
    http://mustbepink.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  16. Olá, eu adoroooo o Halloween, tenho 23 anos e costumo sair à rua com o namorado e as cunhaditas! :p Pregas partidas, e rir muitooo!
    Adorei o post, beijinho grande :)

    BLOG | FACEBOOK | INSTAGRAM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, para quem tem crianças ainda é uma ótima desculpa. Eu é que já não tenho nenhuma. Eheheheh
      Beijinho.

      Eliminar
  17. Ai fiquei tão contente quando li o teu post :D eu adoro Poe e tenho a colecção toda da Anne Rice! (Sabias que ela também escreveu uns livros históricos? ainda estou a tentar arranjar) E sou também uma amante dos clássicos :D sempre nas Crónicas de uma Leitora Compulsiva.

    Beijinhos,
    O meu reino da noite ~ facebook ~ bloglovin'

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem que gostaste. Também adoro a Anne Rice e tenho quase todos os livros, são fantásticos.
      Beijinho.

      Eliminar
  18. Haha, que belas memórias! Lembrei-me a propósito do texto do episódio dos Simpsons em que a Lisa fica aterrorizada com o cemitério que mudam para o lado do quarto dela. Devia ter falado contigo :P
    Eu também adorava este dia, ia sempre pedir doces e era tão giro! Gostei das sugestões de leitura :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho uma ideia de ver esse episódio. Eheheheheh Acho que é uma questão de hábito. Fui morar para lá aos 3 anos, para mim sempre foi normal. Se fosse morar para lá aos 20 se calhar estranhava mais.
      Beijinho.

      Eliminar