sexta-feira, 30 de março de 2018

Sabonetes Esfoliantes d'O Boticário


Olá pessoal!!!

Hoje vamos a mais um post daqueles que dá pena que a internet ainda não tenha cheiro, porque o produto de que vos quero falar é divinal! Trata-se do Sabonete Esfoliante Nativa Spa do Boticário.
A primeira vez que o comprei foi após ler uma review aqui pela blogosfera que me deixou extremamente curiosa. E assim que passei na loja, trouxe um para casa. A escolha dessa vez foi o de Lichia, que já usava no leite de corpo e adorava. No entanto depois disso já experimentei também o de Blueberry.


Ora o sabonete é à base de óleos vegetais, promete uma esfoliação suave para remover as celulas mortas, deixando a pele macia e renovada. Para isso, passa-se pelo corpo durante o banho em suaves movimentos circulares, com uma leve massagem até alcançar espuma e retira-se posteriormente com a água.



A minha opinião sobre o sabonete: Volto ao início do post e digo mais uma vez que é uma pena não conseguir transmitir o cheiro. É delicioso! Todos eles são extremamente frutados. Assim que se abre a embalagem o aroma espalha-se pela casa de banho. Claro que não podia deixar de referir o packaging que acho super fofo. Não só gosto das embalagens, mas também do sabonete em si, redondo, com um desenho circular que faz lembrar os corais, com uma mensagem atrás.



Apesar de dizer que é uma esfoliação suave não acho que o seja totalmente, pelo menos no início, já que aqueles grãozinhos arranham a pele um pouco mais do que estou alguns outros esfoliantes... mas nada demais. E apesar da embalagem mencionar que que se deve massajar até obter uma espuma abundante e cremosa, até hoje nunca consegui fazer com que apareça, cria um pouco de espuma sim, mas nada de especial. No entanto sente-se logo o efeito da esfoliação na pele. E o sabonete de blueberry atua melhor que o de lichia, noto que, com este, a pele fica ainda mais suave.

O grande problema de ambos os sabonetes é que depois não apetece sair da divisão, com o cheirinho maravilhoso que lá fica. Por norma uso de 2 em 2 dias, para não castigar demais a pele e acho que funciona muito bem para esfoliante regular, embora note que volta e meia, precise de algo mais forte, principalmente quando este sabonete já está bastante dissolvido e a esfoliação vai-se tornando cada vez mais fraquinha.


Dica : Quando combinado com a loção de corpo no mesmo aroma, quase nem é preciso perfume, que o aroma permanece forte o dia inteiro. É mesmo ideal para a primavera e verão.

Estes sabonetes esfoliantes encontram-se nas lojas O Boticário ou podem também encomendar pelo site. Existe de lichia ou Blueberry, o que acho uma pena, porque poderiam ter em muitos outros aromas. São sabonetes de 90gr, que se não os deixarem em superfícies húmidas duram bastante tempo. Têm um preço habitual de 3,99€ embora estejam várias vezes em promoção.

quinta-feira, 22 de março de 2018

Achados da Greenland

Olá Dolces!

Hoje trago-vos algo inédito aqui no blog. Como qualquer blogger, já falei aqui de produtos comprados, de produtos oferecidos, de produtos gentilmente cedidos, até já terei falado de um ou outro que foi “surripiado” a alguma familiar que não os usava. Agora de produtos esquecidos e achados anos depois, nunca falei. É hoje o dia.



Para quem não sabe, ando desde o Carnaval a mudar o meu quarto. Acrescentei um armário, uma cómoda, retirei algumas coisas que já estava cansada de ver e andei em extensa lavagem e arrumação do closet. No meio de montes de roupa, acessórios, produtos de beleza, sacos com tralha que já nem me lembrava que existia, encontrei um saco da Perfumes&Companhia. Saco esse que tinha uma caixa dentro, que eu pensei ter alguma dessa tralha que já não interessava. Vou a abrir a dita caixa e... três produtos da Greenland ainda fechados, devidamente acomodados, tal como tinham saído da loja! O que??? Não pode! Como é que isto veio aqui parar? Quem é meteu isto aqui? No meio de roupa! Eu não comprei isto!

O que é certo é que tenho à minha frente um Gel de Banho, um Esfoliante e uma Manteiga de Corpo da Greenland, todos eles de papaia.



Pois... eu sempre me gabei da minha memória de elefante e da capacidade de reter detalhes de acontecimentos com décadas. Esqueçam lá a gabarolice daqui para a frente! Segundo a minha mãe, foi ela que me deu o conjunto e eu arrumei-o. É possível, não me lembro. O que é certo é que dentro da caixa estava ainda um talão de troca... que data de 2015. Ou seja, estão 3 produtos fechados no armário há mais de 2 anos!!! Que eu inclusive já comprei iguais depois disso!



Agora estou na dúvida se deva usar ou não. Será que os produtos estarão bons? Estão fechados, selados e em sítio seco, sem grande variação de temperatura, por isso não acredito que haverá grande problema, mas também só posso confirmar depois de os abrir e certificar-me que o cheiro não está alterado. Coisa que ainda não fiz porque tenho imensos produtos abertos de momento.

Que acham? Abro e experimento ou ao fim de 2 anos não podem estar bons?
Já vos aconteceu algo do género?
Toca a vasculhar os armários!

quinta-feira, 15 de março de 2018

Creme Hidratante Be Beauty

Olá pessoal!

Hoje venho-vos contar tudo sobre um creme que ando a experimentar há algumas semanas, o hidratante de resto da Be Beauty Care, para pele normal a mista.



Talvez numa de seguir o exemplo de outros hipermercados, o Pingo Doce lançou recentemente uma linha de cremes de rosto e corpo que inclui hidratantes, anti-rugas de dia, de noite, creme e loção de corpo, além de creme de mãos e pés, tudo a preço extremamente acessível.

Ora andava eu às compras, por acaso ia com ideia de ver um outro hidratante de outra marca que ando curiosa para testar, mas encontrei este. Confesso que não sou muito de usar marcas brancas no que respeita a produtos de beleza, tanto é que quando mostrei à minha mãe a primeira coisa que ela me perguntou foi “Tu compraste isso?”. Como se eu fosse alguma snob que só usa cremes a preços exorbitantes! Gosto de testar de tudo! (E não, mãezinha, não é para poder criticar com conhecimento de causa!). Acho que às vezes se encontram coisas que resultam super bem e a preços muito baratos.

Vou começar por explicar que a minha pele é mista com alguma tendência a oleosidade, no entanto de inverno fica tão desidratada do frio e principalmente do vento gélido que temos por aqui, que precisa mesmo de hidratação extra e vejo-me forçada a deixar de lado os cremes específicos para peles oleosas, porque a maioria não regula a oleosidade natural, mas sim retira-a por completo e o resultado é pele desidratada e a escamar. Daí estar à procura de um creme que fosse mais indicado a pele normal a mista, o que é o caso deste.

Segundo a embalagem e o folheto que tinham sobre o novo lançamento, este é um creme indicado para pele normal a mista, com manteiga de karité, vitamina E e extrato de flor de lotus, que oferece hidratação em profundidade durante 24 horas, além de nutrir e proteger a pele. A fórmula não gordurosa previne a formação de oleosidade. Não contém parabenos, corantes artificiais, álcool, libertadores de formaldeído, óleo mineral, silicones ou fragrâncias alergénicas.
Aplica-se de manhã e à noite na pele limpa e seca do rosto, evitando a zona dos olhos e massaja-se em suaves movimentos circulares até que haja completa absorção.



A minha opinião sobre o produto: gostei da embalagem simples, mas completa a nível de informação e gostei especialmente de ser um boião em vidro, com o detalhe de ter uma data de validade bastante clara. Sobre o creme especificamente, acho-o extremamente hidratante, sem ser gorduroso em exagero, mas quase fiquei curiosa para conhecer a textura do creme para pele seca, na qual este, a meu ver também já resultaria bem. Outro ponto a favor é o cheiro suave e a sensação de frescura que deixa na pele. No entanto, para mim este é um creme apenas para usar de inverno, quando a pele anda mais desidratada ou numa situação pontual, talvez como creme de noite. Não sendo excessivamente gorduroso, parece-me bom para uma pele normal, mas não para pele mista, porque noto algum aumento de oleosidade na zona T quando o uso, embora nada de preocupante e resolve bem a desidratação da restante face. Espalha muito bem na pele, o que faz com que renda imenso, além de absorver rapidamente.
Assim, acho que este será para um uso mais esporádico para mim e não para usar diariamente. No entanto gostei da qualidade geral do produto, tendo em conta o preço irrisório que tem. Acho que é uma pena não apostarem no creme para pele mista a oleosa, no entanto isto é um lançamento recente, por isso talvez venham a introduzir mais produtos.



Este creme hidratante encontra-se, tal como a restante gama Be Beauty Care, no Pingo Doce. É vendido em embalagens de 50ml, que devem ser usadas nos 6 meses após a abertura. Custa apenas 3,99€

Já conheciam o creme? 
Costumam comprar estas marcas de supermercados?

quinta-feira, 8 de março de 2018

Mini-compras na Skin


Olá gente gira!

Este post vem um bocadinho atrasado, mas só agora é que tive oportunidade para o fazer. Queria-vos mostrar três produtinhos que encomendei na Skin. A loja esteve com uma promoção pelo São Valentim, que além dos descontos, estavam ainda a oferecer os portes. Como era tudo coisas que não conhecia e queria experimentar, não estava com muita vontade de os comparar aos preços das farmácias, por isso esta foi a oportunidade perfeita. Vamos ver o que veio?


Confesso que não conheço grande coisa da marca e nem sou grande adepta de batons de cieiro, porque diariamente já uso batons de cor bastante hidratantes. No entanto este inverno tem sido dos piores que me lembro para a minha pele e os lábios não escapam. Apesar de ter o meu batom de tratamento favorito da Elizabeth Arden, queria uma opção menos dispendiosa que pudesse gastar em doses industriais sem me sentir tão mal. Este foi a opção. 

Foi a grande razão da encomenda. Estou determinada em encontrar o champô ideal para atenuar a oleosidade ainda este ano! Mas depois de tantas tentativas falhadas, tanto dinheiro gasto em produtos a preços exorbitantes que não resolvem nada, decidi colocar um limite ao preço dos champôs, pelo menos até saber se resultam ou não. E aqui pelas farmácias só estava a encontrar este em tamanho grande, por isso a promoção da Skin foi perfeita e optei pela embalagem mais pequenina a preço bem convidativo. 

Nunca tinha experimentado nada da marca e raramente uso toalhitas desmaquilhantes. Mas às vezes são uma boa opção quando estamos com pressa ou até de viagem. Foi uma compra um pouco por impulso, mas apeteceu-me experimentar. 

Agora estou em fase de teste aos três produtinhos e em breve sairão as reviews. Se houver algum que vos desperte mais curiosidade podem deixar nos comentários e começo pelo que suscite mais interesse. Para ver cada um deles no site basta clicar no nome.

Que acharam das mini-comprinhas?
Conhecem algum dos produtos?




domingo, 4 de março de 2018

Viagens: 4 Dias em Florença

Olá Dolces,

Há uns meses atrás (e por uns meses leia-se quase há um ano, mas chiu!), tinha prometido aqui que iria começar a falar mais sobre viagens, talvez até criar uns roteiros engraçados de viagens que gostaria de fazer. E a verdade é que nunca mais me lembrei sequer do assunto... até agora. Confesso que não sei muito bem que tipo de roteiro poderia criar de lugares que não conheço, já que não teria nenhuma referência além de muita pesquisa. Por isso desta vez, a minha sugestão de viagem é ainda de uma cidade que já visitei e que adoro. Florença.

Se alguém me dissesse que poderia visitar apenas uma única cidade para o resto da vida e nunca mais meter os pés noutra, a minha escolha seria Florença. Confesso que nem sei muito bem traduzir a minha adoração em palavras. É uma cidade em que se respira Arte. Respira-se História. Respira-se Cultura. Tudo em Florença é de tal forma imponente que parece que somos esmagados pela arquitetura. Lembro-me de passear em frente à Duomo e sentir-me quase claustrofóbica no meio daqueles monumentos. No entanto foi a melhor sensação de claustrofobia que senti na vida! Mas passando ao que vos interessa...

Como chegar?

Apesar de Florença ter um aeroporto, não sei se existem voos diretos a partir de Portugal, mas creio que não. No meu caso, tinha viajado de Lyon para Roma, onde apanhei um comboio direto de cerca de hora e meia para Florença. E se tiverem oportunidade para isso, façam esta viagem porque a paisagem é lindíssima, apesar de uns túneis irritantes pelo caminho em que a diferença de altitude incomoda os ouvidos. A grande maioria dos comboios para na principal estação da cidade, Santa Maria Novella.

Primeiras coisas a arranjar:

Mapa da cidade: acho que esta é aquela dica que se dá, seja lá para onde for. O centro de Florença é relativamente pequeno e em 15 minutos no máximo chega-se a pé de uma ponta à outra. A menos que queiram visitar qualquer coisa fora do centro ou tenham problemas de mobilidade, não há motivo nenhum para autocarros ou táxis. Até porque muitas das ruas são fechadas ao trânsito e outras não cabe sequer um carro.

Firenze Card: Esta é uma das melhores coisas para visitar Florença. Trata-se de um cartão que dá entrada a todos os monumentos visitáveis da cidade, seja museus, palácios, igrejas, casas, etc, etc. Tem duração de 72 horas, inclui 72 monumentos, dá acesso a 72 horas de internet e custa 72€. A grande maioria dos locais tem acesso prioritário com este cartão. A meu ver, para quem quer visitar mais do que uma ou duas coisas por dia, é uma excelente opção. Na minha visita não o comprei porque fui durante a semana cultural em que a entrada em quase todos os locais era gratuita ou estava a preço simbólico de 1 ou 2€

Alojamento 

Florença tem um pouco de tudo no que respeita a alojamento, mas os preços não são tão exorbitantes como nas grandes capitais. Desde que se faça reservas com alguma antecedência, conseguem-se bons preços e em hotéis bastante simpáticos de 3 ou mais estrelas, muitos deles até com pequeno almoço incluído. Não tenham medo de escolher um hotel que não fique a dois passos da Duomo ou da Ponte Vecchio, o centro histórico é pequeno, como já referi, portanto em 10 minutos conseguem chegar a qualquer ponto.

O que visitar

Dia 1

Num mundo ideal, dedicaria um dia inteiro (ou mais, em alguns casos) para visitar cada um destes locais, mas como isso infelizmente é impossível, o truque é mesmo ver um pouco de tudo. Se forem como eu, o primeiro dia é para o que estavam mais ansiosos para ver. No meu caso comecei mesmo pela Loggia dei Lanzi, que é uma “pequena” galeria de esculturas renascentistas na Piazza della Signoria. Mesmo ao lado, temos o Palazzo Vecchio, símbolo de poder da cidade, que vale a pena ver com atenção, pois está repleto de autênticas relíquias. À saída não se esqueçam de tirar umas fotos em frente à réplica do David de Michelangelo, porque na original não é permitido. E se andarem meia dúzia de passos encontram o meu grande motivo da visita a Florença, a Galleria degli Uffizi onde se encontra uma grande parte das obras dos grandes pintores do Renascimento. Vale a pena tirar metade do dia para ver tudo com atenção e mesmo assim achei que não foi suficiente. Do lado de fora, na Piazzale degli Uffizi, não se esqueçam de admirar as estátuas das personalidades italianas. Ao fim da tarde, porque não terminar com uma visita à Basilica di Santa Maria Novella, que tem um claustro lindo, sem falar da capela e da parte museológica.

Dia 2

E que tal começar o segundo dia bem cedo para visitar a Cappelle Medicee? É que está aberta apenas de manhã e merece uma hora ou mais para ver a deslumbrante Capela dos Principes e principalmente, a Sacristia Nova, com as esculturas de Michelangelo, eternamente inacabada. Ao sair, do outro lado temos logo a Basilica di San Lorenzo, que apesar de passar um pouco despercebida ali junto à capela, merece uma visita, porque é linda e tem um claustro com um jardim calmo, com frescos maravilhosos. Depois porque não passar pelo Mercato di San Lorenzo? É enorme, estende-se por mais do que uma rua e há casacos, carteiras, lenços, principalmente em pele, sedas mais baratas e até algumas máscaras. E para não fugir muito ao tema iniciado logo de manhã, o resto da tarde pode ser passada no Palazzo Medici Riccardi. Quando lá cheguei e olhei para o edifício por fora, pareceu-me uma fábrica velha, em pedra e confesso que torci o nariz. No entanto, assim que se entra, é um mundo totalmente diferente, faustoso, cheio de detalhes e recantos exuberantes.

Dia 3

O primeiro ponto desta manhã é um dos locais mais emblemáticos de Florença, A Ponte Vecchio. Não sei se existirá outra ponte no mundo como esta, com construção em cima. Tudo pequenas joalharias. O meu pensamento ao passar ali: se isto um dia cair é o maior prejuízo monetário da queda de uma ponte alguma vez visto. Esperemos que fique de pé, pelo menos mais 700 anos (Sim, eles meteram fortunas imensas em cima de uma ponte com 700 anos sobre o Rio Arno!). A uma curtíssima distância dali temos o Palazzo Pitti. Mais uma vez, um dia inteiro para ver todos os museus incluídos neste palácio seria pouco. Para terem uma noção, a meio da visita, a criatura que ia comigo, sentou-se no bar e disse-me “Vai tu ver o resto que isto para mim já chega.” E claro que eu fui! Ainda tentei descobrir se me alugavam por lá um dos quartos mas não tive sorte. Depois de uma manhã destas, a tarde exige algo mais calmo e, atravessando o rio, não muito longe temos a lindíssima Basilica di Santa Croce. Esta tem uma particularidade, além de espaço de devoção, é uma espécie de panteão, onde se encontram os túmulos de várias figuras italianas, como Michelangelo, Machiavelli ou Galileo e também placas comemorativas em honra de Leonardo da Vinci ou Dante. E por falar em Dante Alighieri, é impossível não ver a estátua monumental colocada mesmo ao lado da basílica. Para quem ainda tiver tempo, na rua ao lado fica a Casa Buonarroti. Confesso que não visitei, fui até lá, mas estava fechada para um evento qualquer.

Dia 4

É o ultimo dia deste roteiro e sugiro começar pela Galleria dell' Accademia, em que talvez o principal interesse seja mesmo a imponente estátua de David de Michelangelo. A sugestão seguinte é, finalmente a Duomo (Cattedrale di Santa Maria del Fiore). Aqui o conselho que dou é que lhe dediquem umas quantas horas, porque apesar de parecer apenas mais uma igreja, é na realidade um complexo monumental, dividido em várias partes, incluindo o museu e o melhor é mesmo fazer reserva para um horário específico ou as filas são tremendas. O resto do dia, percam-se pelas ruas, admirem os edifícios. Não deixem de passar pela Piazza della Repubblica para admirar o arco. Tentem não cair na tentação das lojas ali à volta (é difícil, eu sei!!), mas parem para comer o típico gelato, que alguns são verdadeiras obras de arte.

Conhecem Florença?
Gostam destes roteiros ou acham que não vale a pena?


*Todas as fotos marcadas com * foram retiradas do Google. As restantes são minhas.